o aviador irlandês

Vencidos

Algumas das páginas mais comovedoras da grande literatura universal são aquelas em que Príamo, rei de Tróia, pede a Aquiles que lhe devolva o corpo do seu filho, Heitor, a quem Aquiles matara em combate, para que a família possa honrá-lo com um funeral digno.

Aquiles começara por arrastar o corpo de Heitor pelas muralhas de Tróia e Príamo vai até ele para pedir-lhe, olhando nos olhos o homem que havia matado o seu filho, que revele grandeza de carácter mostrando respeito pelo adversário vencido, pela dignidade desse corpo cuja vida ele tirou, entregando-o aos seus, não permitindo que o cadáver seja exposto como trunfo de guerra.

E Aquiles comove-se com o pedido de Príamo, entrega o corpo de Heitor ao seu pai, e aceita conceder a Tróia as tréguas necessárias para que a cidade possa prestar ao herói vencido as honras fúnebres que este merece.

Muito longínqua estará a Ilíada  dos tempos que correm, os combates já não se fazem corpo a corpo, mais se assemelham agora a videojogos, com alvos que passaram a ser cirúrgicos e vítimas civis renomeadas “danos colaterais”, mas não somos ainda os mesmos seres humanos que percorrem o poema de Homero? Não nos reconhecemos nas mesmas emoções, no mesmo impossível desejo de imortalidade, nas mesmas fraquezas e debilidades, na mesma grandeza que nos transcede?

Os vencedores das guerras já não devolvem à família o cadáver dos seus adversários. E os combates já não decorrem perante o olhar de todos, mas apenas dos senhores da guerra, que os comandam a partir das suas salas de controlo, como quem se entretém com uma consola, dando ordens a soldadinhos virtuais.

E nada se sabe sobre a morte dos vencidos, nem se apelaram à misericórdia dos algozes ou se ergueram a cabeça orgulhosamente enquanto esperavam a bala, se choraram a pedir clemência ou cuspiram no soldado que os dominava, se tombaram à primeira bala ou se agonizaram num sofrimento a que ninguém quis pôr fim, se foram levados ainda vivos para o bunker do inimigo (seja um quartel ou um navio de guerra), se foram mantidos vivos em segredo, sujeitos a interrogatório, torturados, ou se, tendo sido abatidos no local, foram os seus corpos enterrados em alguma tumba secreta, ou despejados para o oceano profundo e silencioso, para que nunca mais esses corpos possam ser recuperados, para que nunca contem a sua verdade a alguém.

Às famílias já não é concedida a possibilidade de honrarem pela última vez os seus, sepultando-lhes os cadáveres, nem sequer de saberem como foi a sua morte. Porque o vencedor, para ser digno e grandioso na sua vitória, deve ao vencido, por mais ignóbil, por mais cruel que este tenha sido, a dignidade na morte, o consolo da verdade e do luto para os seus, uma réstia de humanidade, afinal.

E por isso soam tão pusilânimes estes vencedores da guerra, que confundem a execução com a justiça, e continuam a invocar os deuses, a fazê-los cúmplices das suas acções, ou destino das suas oferendas sangrentas, mas não querem ver neles mais do que um protector cego e surdo, que os beneficie sem pedir contas, um espelho das suas próprias deformidades e das suas misérias.

Anúncios

2 comments on “Vencidos

  1. Dmitry.G
    Maio 4, 2011

    Excelente, simplesmente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on Maio 3, 2011 by and tagged , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: