o aviador irlandês

O aviador deixa-se perder de vista

Com um agradecimento aos que lhe acompanharam o voo, o aviador despede-se. Os seus escassos diários de bordo estarão agora em terra firme, na nova casa, à vossa espera.  

Setembro 23, 2014 · 2 Comentários

Visitação

  Ontem, pela noite dentro, no bar do costume, recebemos a visita do velho engenheiro naval, algarvio de nascimento, educado por um tio-avô beirão. A penumbra, que se foi fazendo … Continuar a ler

Maio 20, 2014 · Deixe o seu comentário

Ainda não

Do Verão que eu quis ter e não tive chegam-me fragmentos a cada pouco. A vida vive-se e recorda-se e imagina-se e perde-se, e também se sonha, que seria de … Continuar a ler

Novembro 18, 2013 · Deixe o seu comentário

Guardar, guardar

Se há coisa que aprendi foi a guardar. Papéis, fotos, bilhetes rasgados, amassados, recompostos com fita-cola, objectos inúteis, até um fio de cabelo, coisas que não lembram a nenhum diabo. … Continuar a ler

Novembro 6, 2013 · Deixe o seu comentário

Conta-me

Há gente a quem não podemos salvar. Nem escutando nem fazendo, nem perdoando nem pedindo explicações. Passam por nós já em queda, despedem-se nos portais, à noite, quando a sombra … Continuar a ler

Outubro 7, 2013 · Deixe o seu comentário

Domingo de páscoa

Ela deteve-se à porta quando o viu lá ao fundo, a avançar com passos incertos, primeiro uma silhueta nas sombras, depois um corpo inteiro, um rosto, uma expressão de embaraço … Continuar a ler

Março 31, 2013 · Deixe o seu comentário

farmácia ocupacional

  A ocupação de tempos livres dos reformados do meu bairro é a ida à farmácia. Vão-se revezando no banquinho posto ali a modos de confessionário, contam a tensão alta, … Continuar a ler

Abril 28, 2012 · 2 Comentários